As 10 regras do sucesso, ou, O IMPORTANTE É CORRER ATRÁS

Por Emiliano Urbim, em Revista ALFA

Herança, loteria e golpe do baú são opções, mas é mais garantido chegar lá com muito trabalho. E por trabalho entenda treino, estudo, autocontrole – até diplomacia, corporativa e doméstica. Além disso, esteja atento aos seus melhores professores: seus erros

 

1 O que quer que você faça, faça muito bem. O que Mozart, Beatles e Ronaldo têm em comum? Além dos penteados diferenciados, desde cedo eles treinaram muito até se tornarem os melhores em sua área. No best-seller Fora de Série, Malcom Gladwell analisou a biografia desses e de outros supostos “talentos natos”. Conclusão: o que fez a diferença foram os 99% de transpiração. Em uma conta que virou mantra, o canadense Gladwell calculou que a exceleência só chega após 10 mil horas de prática – aproximadamente quatro horas de cada dia útil durante dez anos. É treino para uma vida inteira, que adulto tem tempo para isso? Mas veja a coisa por outro ângulo: você provavelmente trabalha muito mais que quatro horas diárias. No núcleo dessa jornada estão as tarefas que definem a sua atividade, os itens que ultrapassam o básico e diferenciam o seu cargo dos outros. São essas habilidades que você tem de conhecer, destrinchar, aprimorar, dominar, saber realizar melhor a cada ano. Porque são elas que vão fazer a diferença: Ronaldo não teria sucesso se não fizesse o que fez em campo. Seja especial na sua especialidade. E deixe o 1% de inspiração cuidar do resto.

2 Se acha. Poderia até ser no sentido de “se encontrar”. Mas estamos falando de autoestima mesmo. E, principalmente, da capacidade de passar essa autoestima aos outros. Como diz o guru do marketing Al Ries: “Marketing não é uma batalha de produtos, mas de percepções”. Ou seja: por mais competente que você seja, por mais conteúdo que você tenha, se voc~e não acreditar em voc~e, o resto da sala de reunião também não vai acreditar. Pior: vai prestar atenção no sujeito confiante mais próximo. Não se trata de narcisismo nem de agradar os outros a todo custo. Trata-se de vender seu peixe – com seu  jeito, seu ritmo e suas ideias.

3 Faça antes, conte depois. Fulano que escrever um livro. Tem tudo na cabeça: título, capa, capítulos, canapé do lançamento. Ele fala disso para tudo mundo, mas o livro nunca sai. Tem também o sicrano que vai abrir um restaurante, e o beltrano que conta tudo sobre o curso que vai fazer. Esses casos, baseados em amigos reais, têm explicação: quando se fala muito sobre os seus projetos, a tendência é que você deixe  de realiza-los. Não é questão de olho gordo, mas de neurologia: a satisfaçaõ que o seu sistema nervoso sente quando alguém elogia aquela sua boa ideia é praticamente a mesma que você sentiria se a estivesse realizando de fato. Como seu cérebro comemora por antecipação, o risco é você se desobrigar de cumprir aquela meta. Por isso, guarde seus planos para você. E deixe para receber os parabéns na hora certa.

4. Considere deixar aquele chope para depois. Uma característica importante (e nem sempre ressaltada) das pessoas bem-sucedidas é o autocontrole – ou melhor, a capacidade de adiar a satisfação de desejos imediatos. Isso vai desde saber dizer “hoje não” para aquele happy hour meio fora de hora, que vai deixar você baleado no dia seguinte, até a sabedoria de poupar quando há recursos e não passar aperto em tempos de vacas magras. É o que os especialistas chamam de viver no futuro: você toma atitudes hoje já pensando nas consequências que elas podem ter amanhã.

5 Continue curioso. Quando Steve Jobs estava na faculdade, se inscreveu em uma cadeira não-obrigatória de tipografia. Durante um semestre, estudou tipos de letras, suas formas e funções. O que parecia um passatempo compensou depois: as aulas foram fundamentais para Jobs conceber a interface do Macintosh, primeiro computador pessoal com funções gráficas avançadas – várias letras diferentes . Ou seja: você só tem a lucrar saindo da zona de conforto intelectual. No mínimo, vai aprender algo diferente..

6 lave a louça. Ou leve as crianças ao colégio. Ou faça o supermercado… Aí vai de cada um. Como ensina Sheryl Sandberg no manifesto pós-feminista Faça Acontecer, pegar no batente em casa é o melhor jeito de apoiar a carreira da sua mulher – e, por consequência, de fazer com que ela apoie a sua também. Isso contribui para que se lar não seja mais um campo de batalha, mas um porto seguro.

7 Use as pessoas. A diferença entre o self-made man e o sujeito que sobre com o apoio dos outros é que o primeiro é uma espécie rara, enquanto o outro é um exemplo que costuma se encaixar na maioria das histórias de sucesso. Mantenha o radar ligado para encontrar quem pode ajudá-lo, esteja acima, ao lado ou abaixo de você. Chefes que podem subir e levar você junto, colaboradores com quem você deve construir alianças, jovens talentos com novas soluções – uma grande chave para montar equipes, aliás, é reunir pessoas que o completam. Se você está no lugar certo, está cercado de talentos dos quais você deve se aproximar. Olhou em volta e não viu ninguém? Então está no lugar errado.

8 Pense negativo. O que pode acontecer de pior? É para isso que você tem de estar preparado. Quem prevê cenários ruins costuma ter mais surpresas agradáveis que quem enfeita o mundo com ursinhos carinhosos e queridos pôneis. Não precisa ter um plano B, mas usar cautela para criar o melhor plano A.

9 Sorria, meu bem, sorria. Um pouco de diplomacia não faz mal a ninguém. O caminho para o sucesso é repleto de sorrisos amarelos e tapinhas nas costas. Em algumas ocasiões, você vai ter de se entediar com quem antes o esnobava. Também vai passar a ouvir um monte de besteiras sobre si mesmo: deixe entrar por um ouvido e sair pelo outro.

10 O sucesso nunca chega. Um dos mais inteligentes entre os que fundaram os Estados Unidos, Thomas Jefferson, colocou na Constituição americana que o ser humano tem direito “à vida, à liberdade e à procura da felicidade”.  Repare: não está escrito “à felicidade”, mas “à procura da felicidade”. Jefferson sabia das coisas: a felicidade, a realização, a plenitude, o sucesso – tudo isso são estados de espírito. Por mais que você conquiste tudo, vai achar que está faltando alguma coisa. E isso é bom. Mozart compôs algumas de suas maiores obras em seu último ano de vida. Pelo menos três ex-beatles continuaram produzindo música de alta qualidade em sua carreira solo. E o Ronaldo quer ser presidente da CBF, até do Brasil. O importante não é chegar lá. O importante é correr atrás.

 

 

 

Publicado por Miguelito Medeiros

Editor da Rivazto, consultor de Marketing, Comunicação & Política

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: