Parcerias comerciais com a China

Na onda do Corona Vírus, a Covid-19 e as rusgas diplomáticas entre o Deputado Federal Eduardo Bolsonaro e a Embaixada da China, o certo é que o gigante asiático aumenta sua presença na economia brasileira. Ano após ano, o capital chinês vai sendo investido em diversos setores da produção e dos serviços no Brasil. Em alguns casos, de forma acelerada. Na energia elétrica, por exemplo, a gigante State Grid é a principal acionista da CPFL Energia. A empresa, no Brasil, tem sob sua responsabilidade a presença em 15 estados, com mais de USD 15 bilhões investidos no país.

E isso pode ser o início de grandes oportunidades de negócios para os brasileiros.

No Rio Grande do Sul, por exemplo, a CPFL detém o controle da RGE Sul, a empresa privada que distribui energia na maior parte do estado. Cidades com produção industrial importante, como Caxias do Sul, Canoas, São Leopoldo e Novo Hamburgo estão sob o guarda-chuva da mão chinesa na distribuição da energia elétrica. E isso tem sido bom. Não há, nos últimos anos, grandes problemas como instabilidade na oferta de serviço, dificuldades no restabelecimento de quedas eventuais, entre outros problemas ligados ao setor. 

Os chineses estão presentes em diversos setores da economia brasileira. E isso é fundamental para quem quer aumentar suas oportunidades de negócios no Brasil.

No setor bancário, os chineses hoje já estão presentes no Brasil com, pelo menos, cinco grandes bancos do país asiático. Banco Industrial e Comercial da China (ICBC), Bank of China, Haitong, China Construction Bank (CCB) e Bank of Communications (BoCom) já têm operações consolidadas no Brasil. A maior parte destas operações são financiamentos de exportação e importação e fomento a obras de infraestrutura. Sua presença no bolo total de ativos bancários no Brasil ainda é pequena, não chegando a 1%.

O apetite por investimentos da parte dos chineses não fica restrito aos países emergentes, como Brasil, Argentina, Grécia, Geórgia e México, entre outros. Os Estados Unidos, berço do capitalismo moderno e ainda hoje a maior economia do mundo, registra várias compras de participações em empresas nacionais feitas com o capital chinês.

São vários exemplos, alguns emblemáticos, de empresas norte-americanas que tiveram seu controle, ou participação minoritária relevante, transferidos para firmas chinesas. General Eletric, AMC Cinemas, Waldorf Astoria Hotel, GM, Tesla, Spotify, Microsoft, WeWork, Uber, Warner Music, entre tantas outras, são exemplos de marcas americanas que têm investidores chineses.

Os americanos, sem levar a política aos negócios, estão tendo ótima relações comerciais com os chineses e vice-versa.

Os brasileiros também podem. E podem muito mais do que uma relação onde haja simplesmente exportação de commodities agrícolas e minerais e importação de manufaturados. Há um campo enorme de possibilidades entre as economias dos dois países.

Ler para uma criança ajuda a mudar o mundo

dante livros

O projeto do Itaú que distribui livros de graça para as pessoas lerem para as crianças é a ação de responsabilidade social mais interessante que já vi nos últimos tempos. Livros de graça para as crianças e adolescentes. De graça. Basta entrar na página do banco na internet e pedir os livros. Além de enviar os livros para o endereço da pessoa, o marketing do Itaú incentiva as pessoas a lerem as estorinhas para as crianças. Dizendo que a atitude ajuda a “mudar o mundo”, o banco resgata um gesto que vai ficando esquecido nesse mundo tão corrido de hoje, quando os pais chegam em casa com os filhos já dormindo.

Na foto, estão a minha mãe Odila, minha irmã Hevelisa Medeiros e meu filho Dante, curtindo um dos livrinhos enviados pelo banco Itaú.

Pouso no cometa só aumenta minha crença do projeto humano

esa-philae-lander-comet-touchdown

 

Na pampa de luz azul
Amor, amar, aurora
Lugar de que nunca parti
que brilha, brilha, brilha!
Perdido cometa, perdido cometa
Na trilha luminosa desse planeta!
Perdido cometa, perdido cometa
Na trilha luminosa desse planeta!

(trecho de Pampa de Luz, de Pery Souza e Luiz de Miranda)

 

Foi com muita felicidade que acompanhei o pouso do módulo Philae da sonda Rosetta no cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, na tarde desta quarta-feira. Felicidade que me fez aumentar a minha crença no projeto humano e na capacidade do homem de fazer coisas que pareciam impossíveis. Já imaginaram? Mandar, há dez anos, uma sonda para acompanhar o cometa; o aparato acompanhar o corpo celeste por uns dois anos e, nesta quarta-feira, conseguiu fazer descer a capsula no pequeno cometa. Pequeno, tem menos de quatro quilômetros de comprimento e se move a estonteantes 135 mil quilômetros por hora.

O projeto é da ESA, a agência espacial europeia, criada em 1964.

A ilusão das eleições no Brasil

BRAZIL-CAMPAIGN-DEBATE

Por Michael Shifter, do Foreign Policy, tradução Nicholle Murmel, em http://www.defesanet.com.br

As eleições presidenciais em andamento no Brasil vêm sendo descritas como eletrizantes e imprevisíveis, comparáveis a uma novela. Com certeza não houve falta de drama: a morte trágica de um grande candidato, Eduardo Campos do Partido Socialista Brasileiro (PSB), a espetacular ascenção e queda de sua vice, Marina Silva, que assumiu a chapa, e a recente força de um candidato que, até pouco tempo atrás, não teria muito crédito na disputa. Dada a volatilidade dessa eleição, poucos se atrevem a prever com convicção o que vai acontecer na disputa do próximo dia 26 entre a atual presidente, Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), e o ex-governador de Minas Gerais, Aécio Neves, do Partido da Social-Democracia Brasileira (PSDB).

Com ainda mais drama, o segundo turno vem sendo conduzido pelos candidatos e seus respectivos aliados como uma batalha ideológica entre esquerda (Dilma) e direita (Aécio). Segundo o discurso do ex-governador mineiro, Dilma continuaria com as políticas estatizantes e intervencionistas do primeiro mandato, e que levaram à inflação e desaceleraão da economia, enquanto Aécio teria uma abordagem mais amigável ao mercado e abriria o Brasil para o mundo, incluídos os Estados Unidos. Já a atual presidente acusa Aécio de propor um programa econômico que serve a banqueiros e empresários, e pretender cortar programas de bem-estar social que tornaram o Brasil menos desigual e ampliaram a classe-média.

Tanto Dilma quanto Aécio passaram a maior parte dos três debates na televisão trocando acusaões de corrupção e nepotismo – ainda que o último ítem tenha sido colocado de forma menos explícita. Apesar da amargura geral nessa campanha de segund turno, as plataformas dos dois candidatos são notavelmente parecidas.

Mas do que choque ideológico agudo, as divisões entre as chapas se assemelham ao que acontecia entre o antigo e o novo Labour Party no Reino Unido. Ambos os candidatos querem e prometem mais crescimento e estabilidade, redução da pobreza, melhores serviços públicos e mais infraestrutura. Ambos querem melhores relações com Washington também.

A campanha negativa dos dois lados parece ter impacto considerável nos eleitores brasileiros. Manchetes em todos os jornais do país neste mês ecoam a acusação feita por Dilma de que o candidato do PSDB estaria explorando o escândalo mais recente de corrupção – envolvendo a Petrobras – para fomentar um golpe contra o governo. Já Aécio diz que a candidata do PT é culpada de “entregar a maior empresa do país a uma gangue de ladrões”. No primeiro debate televisionado entre os dois, Dilma acusou Aécio de usar verbas públicas para ganho prórpio quando foi apontado para trabalhar na Caixa Econômica nos anos 1980. A presidente também alega que quando o candidato do PSDB governou Minas Gerais, a saúde pública no estado deteriorou, enquanto Aécio diz que o governo petista perdeu a capacidade de atrair investimentos.

Os eleitores mais pobres e da classe-média vulnerável temem que a vitória do PSDB ponha em risco seus ganhos sociais reais, enquanto os mais abastados se preocupam com a reeleição do PT, que pode corroer a economia. Sobre os brasileiros pobres – a maioria esmagadora recebe benefícios em dinheiro e se concentra no norte e nordeste. São quase que totalmente favoráveis a Dilma. Já os ricos das regiões sul e sudeste, especialmente em torno de São Paulo, preferem Aécio. Ambos os candidatos disputam os eleitores no espectro entre esses dois extremos, que estão menos firmes em seus posicionamentos e mais sucetíveis aos apelos das campanhas.

Por um tempo, Marina Silva, ex-ministra do Meio Ambiente, que após uma ascenção vertigiona falhou em chegar ao segundo turno por conta da campanha pública contra ela e seus erros, ficou em cima do muro. Marina e seu PSB adotivo agora prestam apoio ao PSDB, apesar de esse apoio não ser garantia de impedir a reeleição do PT.

A eleição pode ser volátil, mas não significa que os brasileiros estejam indecisos. Os eleitores mostram um desejo razoável de ter o melhor dos dois mundos: continuidade dos programas sociais associados aos 11 anos de governo petista, junto com o fim da política como é feita atualmente, com suas práticas corruptas que não beneficiam em nada uma sociedade democrática moderna.
Não é surpresa que nos últimos dias antes da ida às urnas, tanto Dilma quanto Aécio, que nunca foram tão distantes como está sendo retratado durante a capanha, estejam se deslocando em direção a propostas mais centristas, quase que convergindo em suas promessas de mais programas para os pobres, combate à corrupção, preservação ambiental e aquecimento da economia. Os dois candidatos buscam reduzir a inflação para cerca de 4,5% ao ano e fortalecer o Bolsa Família, um programa de transferência de renda pequeno, porem importantíssimo para as famílias que o recebem.

A eleição aponta duas narrativas conflitantes que dominam atualmente tanto a mídia brasileira quanto internacional. A primeira aponta a expansão impressionante da classe média brasileira – cerca de 40 milhões de pessoas nos últimos 11 anos, segundo estatísticas do governo –  e a consequente redução da pobreza e da desigualdade. Graças a um ambiente econômico relativamente bom, com investimentos substanciais em mercados emergentes e demandas externas, especialmente da China, pelas commodities brasiliras, associados a um programa vigoroso como o Bolsa Família, brasileiros antes pobres tiveram mais acesso a bens de consumo e empregos. A renda per capita e os índices de geração de empregos formais subiram.

Do ponto de vista politico, boa parte do crédito por esses progressos sociais é do antigo presidente reeleito pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva, que deixou o poder em 2011 com 80% de aprovação, e permanece extremamente popular, sendo uma ferramenta importante para Dilma na reta final do segundo turno – em 2010, último ano de Lula no poder, o crescimento econômico chegou a 7,5%.
Para rebater a acusação de ser indiferente aos pobres, Aécio aponta para o fato de o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, não ter apenas estabilizado a economia durante seus dois mandatos (de 1995 a 2003), mas também ter sucedido em fazer decolar os primeiros programas de transferência de renda.

A segunda narrativa na batalha eleitoral e retórica gira em torno da corrupção gritante no Brasil, uma das maiores vulnerabilidades na campanha de reeleição de Dilma. É verdade que a corrupção é endêmcia no Brasil, mas dois escândalos de grande porte durante governos do PT causaram danos políticos severos ao partido, no poder desde 2003. Uma vez que a atual presidente atuou como ministra de Minas e Energia no governo de Lula, as recentes e cada vez maiores acusações de subornos e propinas na Petrobras, maior estatal brasileira, podem machucar a imagem da candidata de forma bem particular. Como ministra, ela foi membro formal do comitê de direção da empresa enquanto os atos de corrupção aconteciam.

A burocracia já solidificada no páis, e agora cheia de cargos comissionados pelo PT após 11 anos de governo, é um alvo fácil para os ataques de Aécio, que procura se mostrar alinhado com as reformas às quais os brasileiros são desesperadamente a favor. A candata do PT, logicamente, adota a mesma postura, insistindo que também está comprometda com um governo limpo e honesto. Desde que assumiu a Presidência, Dilma demitiu oito ministros acusados de corrupção. Ainda assim, se o tema se acirrar até o dia 26 de outubro, não será nada bom para a candidata à reeleição.

É importante considerer que a corrupção tem impacto político ainda maior quando a economia não anda bem. No caso do Brasil, apesar de o desemprego permanecer baixo, a inflação e a taxa de juros estão subindo, e a economia estagnou – resultado não apenas de um ambiente externo mais problemático, mas de algumas decisões políticas questionáveis.

Tanto Dilma quanto Aécio prometem fazer a economia “pegar no tranco”. Os apoiadores do candidato do PSDB estão convencidos de que Dilma está irremediavelmente presa a uma economia fechada, enquanto os que apoiam a atual presidente  acreditam que, sob o governo tucano, o crescimento econômico beneficiará apenas a população abastada. Na prática, porém, os candidatos não diferem tanto assim em termos de política econômica. Caso reeleita, Dilma, por exemplo, declarou que faria mudanças massivas em seu gabinete. A candidata sabe que manter as políticas atuais condenará seu segundo mandato. Já Aécio teria que lutar com parte de seu eleitorado que não é necessariamente anti-PT, mas  também não é a favor de um mercado completamente desimpedido.

Além disso, em termos de política externa haverá ainda mais coincidência entre Dilma e Aécio do que se pode pensar. Houve uma tendência de salientar as diferenças, especialmente por parte dos apoiadores do PSDB dentro e fora do Brasil, que buscam mais abertura econômica e políticas comerciais mais robustas, junto com relações mais amigáveis entre Brasília e Washington. Os laços bilaterais se comprometeram recentemente, desde a revelação de que a Agência Nacional de Seguança (NSA) americana estava espionando a preseidente e a Petrobras. A controvérsia levou, no ano passado, ao cancelamento de uma visita de Dilma a Washington e a uma amizade fria com os Estados Undios desde então.

Não se questiona que Washington, frustrada com a candidata do PT, seria mais favorável e enérgica em buscar novas iniciativas com Brasília em um governo de Aécio. Mas sob qualquer mandato, a melhora rápida das relações entre Brasil e EUA é pouco provável. Há desavenças demais em questões bilaterais, regionais e globais. Disputas comerciais persistentes, pontos de vista contrastantes acerca de como responder aos desdobramentos antidemocráticos na América Latina, e diferenças agudas nas abordagens da crise econômica global são fatores que tornarão difícil virar a página.

Por enquanto, nenhum dos países parece especialmente preparado para investir de forma significativa em relações melhores. É importante lembrar que a estatura global que o Brasil alcançou – incusão nos BRICS, papel importante em negociações daOrganização Mundial de Comércio e conferências ambientais, e uma reivindicação credível a um assento permamente no Conselho de Segurança da ONU – é atribuída, em parte, à independência e distância em relação aos Estados Unidos. A possibilidade de uma “parceria estratégica” entre EUA e Brasil é improvável, ao menos no curto prazo.

Na verdade, poucos brasileiros atualmente pensam em política externa, muito menos nas relações com Washington. Os eleitores estão concentrados, e com razão, nas prioridades domésticas e em desafios mais urgentes como garantir melhor educação, saúde, segurança e justiça para a maioria dos cidadãos. A falta de progresso nessas frentes é desanimadora, a corrupção, o desperdício e a baixa qualidade dos serviçoes públicos solidificaram os protestos massivos que varreram as cidades brasileiras ano passado. Hoje, as ruas estão calmas, mas os problemas permanecem não resolvidos. Após o drama da campanha presidencial, um novo governo se lançará à tarefa difícil de administrar um país complexo, com várias forças e pressões políticas e societárias.

Uma eleição dominada por campahas negativas não deve encobrir o consenso amplo entre os brasileiros sobre o caminho que o país deve tomar. Os objetivos são claros e amplamente partilhados entre o povo. O desafio é encontrar o líder e a equipe melhor equipada para operar no labirinto político e burcocrático do Brasil.

Lasier no Senado

lasier

Foto da http://www.federasul.com.br

O jornalista Lasier Martins é um grande cara. Trabalhador como poucos, caprichoso, bom pai e um cidadão preocupado com os destinos do Rio Grande do Sul. Sempre trabalhou cobrando posições para que o nosso Estado estivesse na trilha do desenvolvimento e na sintonia com o que há de mais moderno no mundo. Por falar em sintonia e modernidade, Lasier andou muito por esse mundão de Deus. Conhece o que a tecnologia e a liberdade de expressão trouxeram para a melhoria da humanidade.  Ele entende isso.

E conhece, muito bem, o interior do Rio Grande do Sul. Conhece como pensa o gaúcho.

Por essas e outras, que acredito que o Rio Grande vai estar bem representado com o Lasier no Senado.

********

Lá por 97, 98, eu fui estagiário na Rádio Gaúcha. Já admirava o Lasier antes desse período, de ouvi-lo na rádio. Quando estava lá na emissora, com o cara ali, ao vivo, na frente da gente, era demais. Perguntei certa feita como ele lidava com o sucesso. Deve ter dado uma resposta curta. Mas, lembro que ele falou alguma coisa do tipo… o sucesso vem à custa de muita concessão. Nessa época, ele já trabalhava em três lugares diferentes.

Marina é o sonho. Aécio e Dilma são os chefes da repartição

marina silva carica

Marina, por J. Bosco, em O Liberal 

 

A um mês das eleições gerais, Marina desponta como presença certa no segundo turno. Depois de vinte anos de Plano Real e de eleições que realmente deram certo depois da redemocratização – a de 1989 foi um experimento, tanto que o eleito não foi até o final do mandato – o eleitorado brasileiro se vê frente a um conflito de posturas. Ele precisa escolher entre dois gerentões e um sonho. Os gerentões são Aécio e Dilma. O primeiro é o clássico gerentão tucano: faz gestão fiscal, realiza obras, cobra metas, alcança e ultrapassa metas, faz o povo ficar com dinheiro no bolso. A segunda é fruto de um arremedo na política depois do escândalo do Mensalão. Não era ela a preparada para suceder Lula. Era outro. José Dirceu teve seus planos atrapalhados pelas denúncias. Então, fabricou-se uma figura de gerentona. A Dilma. Sabe números de cabeça, faz contas, estabelece a razão em qualquer diálogo que ameace a sair do plano do chão. 

O sonho é Marina.

Ela representa a mulher que veio de baixo, pobre, negra, acreana, seringueira, vítima de acidente ambiental e por aí vai. E a mulher que subiu na vida. Lavou chão de banheiro para pagar os estudos, estudou e se fez na vida.

É o que as pessoas querem, nesse momento. FHC e Lula elegeram-se pela mesma onda que, ao que parece, vai levar Marina ao Planalto. É a onda, a vibração que quer colocar no topo da política, o nosso representante, alguém com um quê a a mais. FHC era o brasileiro que estudou, deu aula e foi líder na academia. Na Europa. Cara culto, poliglota e letrado.

Lula tinha também intrínseca essa imagem do brasileiro que deu certo. Honoris Causa em várias universidades pelo mundo a fora. Presença em discussões globais e uma figura que todos os grandes líderes globais gostavam de estar por perto. (Foi o cara, segundo Barak Obama). 

Dilma e Aécio não têm nada disso. São gerentões. E só. 

Marina é o sonho. 

 

 

Mais dicas para conquistar independência financeira

 

12 hábitos dos milionários que podemn mudar sua vida 

 

Kellvyn Atary

O caminho para o sucesso é tortuoso e cheio de pontos de falha em que nos perguntamos se realmente, algum dia, realizaremos nossos sonhos. A maioria das pessoas que atingiu o sucesso almejado pode dizer-lhe que a estrada para mudar de vida realmente não é fácil.

Se um dia você acordar e perceber que a sua vida não está tomando o rumo que gostaria, não se culpe por isso. Apenas pare, pense e aceite a responsabilidade de mudar qual rumo sua vida deve tomar a partir de agora.

Fique ciente que nenhuma mudança nos resultados vem sem mudanças nas ações. Pensar o contrário seria insanidade. Mudar os hábitos, as ações, o plano pode ser crucial para alcançar os objetivos desejados.

Por isso, reuni os 12 hábitos que, se aplicados disciplinadamente, vão mudar a sua vida em um período de 12 meses ou menos. Os resultados virão, acreditando ou não. Mas você tem que aplicá-los.

Aqui estão 12 coisas que você pode começar a fazer imediatamente para mudar sua vida e entrar no caminho para alcançar o sucesso:

Hábito #1 – Leia diariamente

 

“Daqui a cinco anos você estará bem próximo de ser a mesma pessoa que é hoje, exceto por duas coisas: os livros que ler e as pessoas de quem se aproximar.” ~ Charles Jones

Se quiser ter uma vida melhor tem que começar a tomar melhores decisões. Para isso você tem que ter melhor informações, mais insights e ideias que nunca teve antes.

Eu desafio você a investir tempo para ler pelo menos 10 páginas de bons livros diariamente. Se você ler pelo menos um livro por semana, isso será cerca de 50 livros por ano. Dedicando tempo para ler os livros certos sobre as áreas que quer melhorar em sua vida, você pode mudar o seu destino.

Você pode me perguntar: sobre o que devo ler? E eu vou te dizer, leia sobre tudo. Leia sobre finanças pessoais (reserve um tempo para ler esse site também, ok?  ), sobre sua área de atuação, sobre investimentos, negócios, contabilidade, marketing, saúde, administração, motivação e tudo mais que for te ajudar a desenvolver as habilidades necessárias para prosperar, ou apenas que ajudem a pensar de maneira mais clara.

As ideias e informações desses livros, certamente, vão te ajudar a ter mais sucesso. Leia também de maneira recreativa, como dedicar alguns minutos para ler um livro de ficção ou romance por alguns minutos antes de dormir.

Quanto mais você se educar, melhor suas decisões serão. Invista o seu dinheiro em você mesmo, na sua educação, em bons livros, no seu crescimento.

Hábito #2 – Coloque suas metas por escrito

“Se quer viver uma vida feliz, amarre-se a uma meta, não às pessoas nem às coisas.” ~ Albert Einstein

As pessoas de sucesso atribuem boa parte do seu êxito ao fato de escreverem quais são as suas metas para o ano. Metas bem escritas e detalhadas em um plano farão com que você tenha um sentido de direção e pensamento voltado para a ação incrível.

É isso que é de fato o sucesso: ter os resultados esperados através das ações tomadas com base em metas escritas.

Anote suas metas em um caderno ou documento do word no computador e detalhe as atividades que precisa realizar para atingir esse objetivo.

Coloque também uma lista dos recursos necessários e como fará para consegui-los. Dê prazos e datas para as metas para que isso te faça se preocupar em atingi-los.

Tem uma explicação detalha sobre metas no artigo Como conquistar seus objetivos, assumir o comando do seu futuro e ter uma vida épica em apenas 6 meses.

Hábito #3 – Dissolva relacionamentos com pessoas que te atrasam

“Eu aprendi que para crescer como pessoa é preciso me cercar de gente mais inteligente do que eu.” ~ William Shakespeare

Nem todo mundo tem hábitos e atividades que são favoráveis para o sucesso. Por que perder tempo com aquelas pessoas que dizem que você não vai conseguir perder peso nunca? Que desista de fazer dietas, que pare de perder tempo lendo tantos livros ou que você deveria sair mais para se divertir? Prefira se educar ao invés de se divertir.

Cortar as pessoas da sua vida de uma vez também pode deixá-las ressentidas. Procure fazer isso aos poucos, mostrando que vocês não tem assim tanto em comum, já que não estão indo para o mesmo lugar.

Use o tempo que gastava com essas pessoas para construir novos relacionamentos com pessoas que tem os mesmos objetivos que você.

Conheça pessoas nas suas atividades físicas, em seminários da sua área de atuação e etc. Use também esse tempo com aqueles amigos que te apoiam e incentivam o seu sucesso.

 

Hábito #4 – Mantenha-se hidratado e exercite-se regularmente

 

Reserve algum tempo do seu dia para praticar alguma atividade física ao ar livre. O corpo é uma máquina feita para ser usada em conjunto com a natureza e ser exercitado para ser fortalecido.

No prazo de 12 meses é possível perder uma quantidade enorme de quilos, preparar-se para qualquer tipo de competição esportiva, modelar o corpo como deseja ou melhorar a sua qualidade no trabalho ou na vida no geral.

Não só ao final desse prazo, mas ao longo desse período todas as áreas da sua vida serão influenciadas por uma saúde mais blindada. Inclusive a área financeira.

Lembrar sempre de se manter hidratado antes, durante e depois das atividades físicas é fundamental, mas não é o bastante. Deve-se ingerir mais de 2 litros de água por dia para manter o organismo hidratado e circulando nutrientes.

Hidratação constante estimula também o cérebro a pensar mais claramente em soluções para os problemas, além de dar mais criatividade para encontrar novas formas de ganhar dinheiro.

Hábito #5 – Inicie um plano de investimentos

Certo, esse é o primeiro tópico sobre dinheiro desse artigo e você pode estranhar o fato de ele ser o único. No período de 12 meses você encontrará muitas formas de fazer dinheiro e lidar com sua carreira, mas esses hábitos irão sustentar seu desenvolvimento e evolução financeira.

Iniciar um plano de investimentos é fundamental para que nesse período de mudança de hábitos você possa estar assegurando sua estabilidade enquanto aprende a lidar com o dinheiro de forma saudável.

Comece a poupar uma parte do seu dinheiro em uma conta de investimento segura que garantirá um ganho fixo de rentabilidade no período de um ano.

É incrível como tudo fica mais fácil quando você está lendo diariamente, tem suas metas bem definidas, está rodeado de quem te ajuda a seguir suas metas e está saudável e bem hidratado. Poupar fica mais fácil quando não tem nenhum fator te influenciando negativamente para gastar todo o dinheiro.

Comece a poupar e continue seguindo os hábitos nesse período de tempo, religiosamente. Eu falo mais sobre finanças e sobre o que você deve evitar fazer aqui nesse artigo.

Hábito #6 – Transforme seu carro em uma sala de aula

 

Ler diariamente é uma forma de aprendizado muito eficiente quando estamos no nosso lar e temos esse tempo para aprender uma coisa nova, mas a tecnologia mudou tanto a forma de ensino, que hoje nós podemos aproveitar o tempo de trajeto até o trabalho para escutar palestras, audiolivros e podcasts.

Seja no carro ou no transporte coletivo, sempre desperdiçamos cerca de 30 minutos a até 2 ou 3 horas no trajeto para o trabalho, escola, faculdade. Tempo esse que pode ser utilizado para o aprendizado.

Isso vai fazer uma grande diferença em um ano, já que podemos perder uma média de 1 hora por dia, em um ano serão quase 270 horas desperdiçadas. Isso se você gastar apenas 1 hora no trajeto. Para quem gasta 3 horas isso sobe para quase 800 horas. Muita coisa!

Outra coisa é que você pode estar mais relaxado escutando alguma aula enquanto poderia estar se estressando com o trânsito. Tudo favorável a praticar esse hábito. Os grandes milionários fazem isso, indicam e repassam para seus filhos. Faça também!

Hábito #7 – Pare de ver TV

Eu sei que você pode estar pensando que eu estou louco em te aconselhar a parar de ver televisão. Isso se deve mais ao fato do brasileiro estar acostumado a gastar em média 4 horas por dia vendo televisão.

Façamos mais uma conta para o período de 12 meses: 4 horas por dia x 365 = 1460 horas por ano. Agora 1460 horas / 24 horas = 60 dias. Já percebeu que você pode estar gastando cerca de 60 dias, ou 2 meses ou 1/6 do ano, assistindo televisão?

Tem um artigo aqui no Mude.nu que fala exatamente nisso chamado: Por que você não deve assistir à nova novela hoje à noite. Vale muito a pena ler também.

Enfim, falo isso porque os milionários não assistem mais do que 1 ou 2 horas por dia e não assistem de maneira alguma reality show. Isso é perda de tempo, é mais vantajoso cuidar da própria vida.

Gaste seu tempo com os amigos, vendo documentários, trabalhando nos seus projetos, se educando, lendo livros e fazendo cursos. Isso é o que vai mudar a sua vida em 12 meses, 2, 5, 10 anos.

Hábito #8 – Pratique falar em público

Um fator em comum dos milionários é que eles sabem expressar suas ideias. Para conseguir apoio, financiamento, investimentos, melhores amizades, para atingir suas metas, para repassar seus conhecimentos, todos buscam se aperfeiçoar na comunicação.

Isso vai mudar a forma como você consegue influenciar as pessoas para confiarem em você e no seu progresso. No prazo de 12 meses você pode se tornar uma pessoa muito mais comunicativa e apreciada. Comece a praticar apresentações, a conversar com estranhos, a vender suas ideias.

Tudo vai mudar quando você puder expressar para o maior número de pessoas possíveis que você tem um valor único e digno de ser acompanhado.

Hábito #9 – Pare de reclamar

Dentre tudo que você possa estar fazendo nesse momento sobre sua vida, a coisa menos produtiva é reclamar.

Reclamar que só tem contas, que os ricos são desonestos, que o preço da gasolina não para de subir e isso, e aquilo.Apenas pare!

Esse também é o hábito mais fácil de mudar com o maior impacto na sua vida. Você para de reclamar e imediatamente começa a pensar em formas de mudar suas ações para resolver seus problemas.

Os livros que você está lendo podem dar bons insights sobre as ações necessárias para sair de onde estar. Com sua saúde impecável sua mentalidade também muda, esse é o poder do esporte e das atividades físicas.

Você vai ver como tudo para de parecer um problema quando você para de assistir televisão, para de se preocupar com os problemas dos outros e passa a buscar soluções para os seus em livros, com os novos amigos e coloca tudo no seu plano de metas.

Hábito #10 – Aprenda uma nova habilidade

 

Eu falei de praticar falar em público, mas essa não é a única que você deve focar para se desenvolver no período de 12 meses. Pratique um esporte novo, aprenda a tocar um instrumento, aprenda a fazer negociações, a fazer artesanato, a ser mais produtivo.

O site Mude.nu mesmo está cheio de novos desafios e habilidades que você pode aprender e praticar com que já está fazendo.

Tente praticar uma nova por mês para ir pegando o gosto de aprender coisas novas, ou apenas uma durante o ano todo para se tornar um especialista nisso.

Os milionários estão sempre aprendendo a melhorar e eles pagam caro por uma nova habilidade que vai trazer-lhes economia de tempo, lazer ou aumento nos lucros.

Hábito #11 – Começar um negócio

Poucas coisas vão te fazer tão bem e vão mudar tanto a pessoa que você é no período de 12 meses do que começar um negócio próprio.

Esse negócio pode ser o seu propósito de vida e você não sabia até começar. Criar um negócio a partir de alguma paixão, a partir de um hobbie, de uma das suas habilidades novas é uma das coisas mais apaixonantes que você pode fazer.

É até engraçado como você passa a seguir os passos anteriores como se fosse parte do seu negócio. Você aprende sobre o ramo em que quer começar o negócio, você busca pessoas com interesses em comum e dispostas a sucederem, você se educa, cria metas, para de ver televisão, usa o tempo do trajeto do trabalho para aprender mais, para de reclamar e começa a comunicar suas ideias para todo mundo.

Parece até um caminho natural e de fato é. Começar um negócio não era o interesse de um jovem que fazia computadores por diversão, mas passou a ser após ele tratar isso como negócio. Hoje, Bill Gates é o homem mais rico do mundo com bilhões de dólares na conta.

Todo aspecto em você vai mudar quando você começar seu negócio. Enquanto você se dedica a ele, nunca vai perceber que está trabalhando porque você faria isso até de graça se fosse possível.

Hábito #12 – Procure oportunidades para ajudar os outros

“Se existe um único segredo do sucesso, ele está na capacidade de ver as coisas do ponto de vista da outra pessoa.” ~ Henry Ford

Na vida em geral e nos negócios, procure sempre ajudar os outros. Isso vai mudar a sua percepção de como as outras pessoas pensam. Quando você para de se preocupar apenas com você e passa a se importar com as outras pessoas, sua vida muda.

Pense em sempre fazer o bem e encontrar maneiras de gerar riqueza para sua vida não se esquecendo de recompensar o mundo com sua dedicação, doação, caridade, voluntarismo e sempre dando mais do que recebe.

Outro ponto é que em algum momento você transforma o problema das pessoas em um negócio lucrativo. Você vai aumentar suas chances de criar um negócio de sucesso quando você está ajudando outras pessoas.

De repente, você percebe uma oportunidade de ajudar muitas pessoas e receber uma recompensa proporcional em relação ao valor que você propiciou para a vida delas.

As pessoas vão dar-lhe espontaneamente o dinheiro delas para quem gerou muito mais valor do que aquela quantia que elas estão pagando. Pense em ajudar as pessoas primeiro, se elas vão te pagar por isso é uma coisa delas.

Não estou falando para você trabalhar de graça, mas que apenas procure ajudar as pessoas se isso for importante para você e assim vai ter a chance de encontrar oportunidades de fazer um negócio a partir disso.

Conclusões finais

Eu acredito que qualquer um pode ter o sucesso que espera na vida. Acredito também que tempo não é um fator que vá influenciar tanto no sucesso de alguém. 12 meses é um período muito razoável para conquistar um enorme ganho financeiro, mas 6 meses já são mais do que suficientes como fala o André Valongueiro, criador desse site, no curso Academia de Pilotos.

Para que você venha um dia a ser um milionário que começou do zero, você deve preparar o terreno para que sua vida financeira vá bem. Por isso esses 12 hábitos mostram o que você pode fazer para mudar sua vida sem nenhum grande truque que te faça ganhar muito dinheiro de uma hora para outra.

Eu garanto que seguir esses 12 hábitos dos milionários durante o período de 1 ano vá mudar mais a sua vida do que ganhar milhões na Mega-Sena.

Por isso, estudando os milionários e pessoas bem sucedidas de diversas áreas, lendo livros e mais livros, fazendo cursos e mais cursos, elaborei o meu próprio plano.

Compilei tudo em um e-book chamado Como Ficar Rico: Os 7 Passos Para Enriquecer de Verdade Começando do Zero. Sem receitas mágicas, sem balelas, com bastante dedicação. Acesse esse link e faça o seu download grátis aqui.

Estou compartilhando também os meus estudos no meu site chamado Hábitos Milionários.

A mudança para os hábitos corretos refletem diretamente no seu grau de sucesso. Quanto mais deles você cultivar, mais propenso ao sucesso você estará. Não se esqueça:

Sucesso é previsível!